Tradição em Olinda, bonecos gigantes encantam foliões

Extraído de: entretenimento.uol.com   Janeiro 29, 2014

Veja como foi o Encontro de Bonecos do Carnaval 2013
Veja Álbum de fotos

Papel, isopor, fibra de vidro, tecidos e adereços: São com estes materiais, somados ao carinho e a euforia contagiante do Carnaval, que os famosos bonecos gigantes são produzidos em Olinda. Eles são os mascotes da maioria das mais de trezentas agremiações e troças carnavalescas da cidade, que ao longo dos seis dias de carnaval desfilam pelas suas ladeiras e vielas, distribuindo alegria entre os foliões.

O primeiro dos bonecos foi o Homem da Meia Noite, criado em 1932, mas desde os anos 80 a cidade de Olinda já conta mais centenas de bonecos gigantes percorrendo suas ruas durante os festejos de momo. Todos os anos novos bonecos gigantes nascem, este ano quem conferir o carnaval de Olinda vai encontrar novos personagens, como Hugo Chávez,  Ariano Suassuna, Enéas Alves Freire e Alexandre Ferrer.

O artista Sílvio Botelho está por trás desses personagens característicos do carnaval pernambucano. Intitulado como pai dos bonecos gigantes de Olinda, Botelho é o bonequeiro que deu vida a todos os personagens desde 1974. Mas a escolha das novas personagens fictícias ou homenagens a figura ilustres que ganham vida pelos bonecos gigantes não é do artista. "Eu não faço o boneco deliberadamente. Nós produzimos apenas bonecos sob encomenda, pois precisamos de autorização do uso de imagens das personalidades para fazê-los", disse.

O bloco carnavalesco O Galo da Madrugada encomendou ao bonequeiro três personagens: Enéas Alves Freire, fundador do bloco; Ariano Suassuna, homenageado deste ano; e, para trazer elementos da obra do escritor, o personagem do Cangaceiro, do "Auto da Compadecida".

Os bonecos gigantes já possuem mais de oito décadas de história e, com o tempo, seu processo de fabricação foi sendo aperfeiçoado. Quando surgiram, os bonecos chegavam a pesar 50kg. Hoje, a utilização de fibra de vidro faz o boneco - sem roupas e adereços - pesar pouco menos de 10kg.

Mas engana-se quem pensa que manipulá-los pelas ruas de Olinda é algo fácil. Mesmo sendo mais leves, os bonecos requerem dois manipuladores para que, em sistema de rodízio, possam completar o percurso dos cortejos dos blocos. Edílson Júnior foi manipulador de diversos bonecos como a Homelhada, Catarina, Alceu Valença, Nordestina e Devasso - mascote do bloco "Os Devassos da Sé", o qual é fundador. "Comecei ainda criança a carregar os bonecos mirins e foi com o tempo e a experiência que passei a manipular os bonecos gigantes", comentou. Ao ser questionado se havia algum boneco de sua preferência, o carnavalesco logo retrucou que "todo manipulador, desde criança, tem a vontade de carregar o Homem da Meia-Noite, porque a história começou com ele".

Bruno Nunes, manipulador oficial do bloco Os Devassos da Sé há dez anos, concorda com Edílson Júnior e afirma que o Homem da Meia Noite é o boneco dos sonhos de todo manipulador. "Mas como ele é o boneco principal, já tem seu carregador oficial", disse o brincante, que não perde a festa por isso e enfatiza que o essencial é a alegria, não importando o boneco que está manipulando. Para outros manipuladores, não há um boneco preferido - ao se contagiar com a energia do Carnaval, todo jovem olindense só quer participar da festa. "Achava bonito ver os meninos manipulando os bonecos e daí quis participar também", contou Diogo Silva.

A valoração da cultura dos bonecos gigantes de Olinda ganhou corpo ainda nos anos 1980, quando esses grandiosos foliões ultrapassaram suas aparições apenas no Carnaval e passaram a estar presentes em eventos como o São João e campanhas eleitorais. Sílvio Botelho relembra que foi a partir das "Diretas Já" que os bonecos ganharam o valor que têm hoje, o que para o bonequeiro torna-os verdadeiros patrimônios imateriais de Pernambuco.

A importância dos bonecos gigantes para Olinda é tanta que suas agremiações tentam resistir às dificuldades que encontram para não deixar morrer esta tradição. Um exemplo é a Homelhada, boneca de 27 anos, que hoje encontra-se a venda. Tuca de Olinda, fundadora do bloco, revela que o desânimo devido à falta do apoio da prefeitura de Olinda às agremiações menores é o motivo da venda. "Estou vendendo, com dor, mas porque não tenho como dar baixar em todos os documentos junto a prefeitura da agremiação", comentou Tuca, que oferece a boneco gigante por três mil reais.

Todos os anos, desde 1987, o Homem da Meia-Noite, a Mulher do Dia, o Menino da Tarde e os demais bonecos gigantes de Olinda se reúnem na terça-feira de Carnaval para, em cortejo, cumprimentarem os foliões da cidade. O Encontro de Bonecos Gigantes de Olinda agrega 100 bonecos, que concentrados no Largo do Guadalupe, bairro do Sítio Histórico, a partir das 11 horas seguem em direção ao Varadouro, num percurso de pouco mais de 2km que chega a levar 4 horas para ser realizado. Sílvio Botelho comenta que é emocionante viver o Carnaval e, mesmo com 40 anos de profissão, nesse período se sente eletrizado. "Várias pessoas vão a minha casa fazer reverência a mim, todos os bonecos se curvam na porta de minha casa, os estandartes também, é muita alegria, me sinto emocionado", finalizou.

40 anos de Menino da Tarde
Em 2014, o jovem Menino da Tarde, terceiro boneco gigante de Olinda, comemora 40 anos, e como presente foi homenageado pelo Encontro de Bonecos Gigantes de Olinda.

A ideia de sua criação partiu de Ernane Lopes. Era sexta-feira, 4 de janeiro de 1974, quando Ernane voltava para casa e encontrou um amigo na porta de sua casa. "Ele me chamou para fazer uma brincadeira de Carnaval e eu disse que tinha tantas, para que outra? Mas no meio da conversa resolvemos criar um novo boneco. Até então, só havia o Homem da Meia-Noite e a Mulher do Dia", disse. A escolha do nome para o boneco não tardou muito. Ainda naquela madrugada, dentre as possibilidades que contavam com Filho do Homem da Meia-Noite, Filho da Mulher do Dia, Filho de Vassourinhas e Menino do Dia, Ernane sugeriu o nome Menino da Tarde. E assim ficou decidido o nome do novo boneco, que fora confeccionado por Sílvio Botelho.

A homenagem ao Menino da Tarde não se resume apenas à feita pelo Encontro de Bonecos Gigantes. O artista plástico Sérgio Vilanova expõe em sua galeria na Rua do Amparo, em Olinda, um painel de pouco mais de 8 metros de largura com o tema do nascimento do Menino da Tarde. Vilanova revelou que o tema surgiu após uma conversa com o amigo e também artista Sílvio Botelho. "A ideia surgiu em 2010, durante uma reportagem para a emissora italiana RAI que dei com Sílvio, e, ao falar do Menino da Tarde, começamos a brincar que a história dele teria surgido a partir do casamento do Homem da Meia-Noite com a Mulher do Dia", falou o artista. A partir daí, nas horas vagas, Vilanova começou a pintar a história do Menino da Tarde. Na tela, o casamento do casal de bonecos gigantes mais famosos de Olinda é celebrado na rua, em frente à Igreja do Carmo, e as personalidades do Carnaval olindense também recebem a chave da cidade.

Serviço
Encontro de Bonecos Gigantes de Olinda
Terça-feira, 4 de março
11 horas
Largo do Guadalupe

Homem da Meia-Noite
Sábado, 1 de março
Meia-noite
Estrada do Bonsucesso

Mulher do Dia
Domingo, 2 de março
11h30
Rua Sebastião Lopes, bairro do Bonsucesso

Menino da Tarde
Sábado, 1º de março
16 horas
Largo do Guadalupe

Os Devassos da Sé
Segunda-feira, 3 de março
18 horas
Rua das Quintas, bairro do Amparo

Autor: Vinculado ao entretenimento.uol.com


 
 
Deixe seu comentário



Siga o Fofoki